CTCAN
CTCAN
PUBLICADO EM:
28/09/2019

Pesquisa – Bebidas açucaradas aumentam risco de câncer

Refrigerantes e sucos de fruta processada aumentam em até 20% o risco de câncer

O câncer é a segunda causa de morte no mundo. Atualmente, 8,8 milhões de pessoas morrem por ano em decorrência dessa doença, conforme a Organização Mundial da Saúde (OMS). No Brasil, são registradas cerca de 215 mil mortes por câncer por ano (DataSUS). Um estudo francês NutriNet-Santé, publicado na revista médica British Medical Journal (BMJ), aponta que as bebidas açucaradas, incluindo refrigerantes e sucos de fruta processada, podem ser grandes “vilões” na luta para diminuir esse cenário. Conforme a pesquisa, essas bebidas aumentam o risco de câncer entre 10 e 20%. O estudo publicado neste ano envolveu mais de 100 mil pessoas, que foram acompanhadas por cinco anos.

As bebidas açucaradas levadas em consideração na pesquisa foram aquelas adoçadas com mais de 5% de açúcar, como refrigerantes, xaropes, suco 100%, bebidas de frutas, bebidas quentes açucaradas, bebidas açucaradas à base de leite, bebidas esportivas e energéticas. O oncologista do Centro de Tratamento do Câncer (CTCAN), Dr. Alvaro Machado, comentou os resultados do estudo, que constatou que essas bebidas são altamente nocivas para a saúde do homem, associadas ao aumento do risco do câncer. “O estudo confirmou consistentemente a relação entre bebidas açucaradas ou adoçadas artificialmente com maior incidência de câncer. Este estudo é o maior já realizado e de desenho prospectivo, fornecendo também muitas outras informações”, observou Machado.

Não se sabe, ainda, o que realmente as bebidas açucaradas causam no organismo, mas os níveis de açúcar no sangue provocam um impacto muito negativo. “Ainda não conhecemos os mecanismos todos envolvidos neste processo. Sabemos que eleva os níveis de insulina, que é fator de proliferação celular, tem efeito inflamatório e está associado à obesidade e síndrome metabólica. É importante frisar que o aumento da incidência do câncer pelas bebidas açucaradas foi independente do índice de massa corporal”, comentou o oncologista do CTCAN.

A pesquisa identificou mais de 2 mil cânceres. Desses, quase 700 eram câncer de mama, cerca de 300 de próstata e outros 170, aproximadamente, de colorretal. “O estudo mostrou aumento global no risco de câncer, mas os principais foram câncer de mama, de cólon e de próstata”, destacou Machado.

Alimentos orgânicos
Este mesmo estudo, comentado anteriormente, também mostra que o consumo de alimentos orgânicos (livres de agrotóxicos) é fator de prevenção contra o câncer. Comparando o grupo de maior consumo de alimentos orgânicos contra o grupo de nenhum componente orgânico na alimentação mostrou uma diferença de 26% na incidência de câncer no decorrer dos anos. “Nas conclusões, os autores sugerem que estimular o consumo de alimentos orgânicos seja uma eficaz medida de combate e prevenção do câncer. Estaríamos falando em 150 mil diagnósticos a menos, por ano, no Brasil”, ressaltou o oncologista do CTCAN.

Prevenção
Nos próximos anos, o câncer poderá ser a principal causa de morte no Brasil e no mundo. “O câncer caminha para ser a principal doença no Brasil. Seu custo é astronômico. O diagnóstico precoce é importante, mas limitado e tem custo. A prevenção pode ser mais efetiva e econômica”, assegurou Machado.

O consumo de bebidas açucaradas aumentou nas últimas décadas no mundo. Além do câncer, o impacto delas também está associado a outros riscos à saúde, como obesidade, diabetes e doença cardiovascular. Por isso, a prevenção é essencial. Além de evitar as bebidas açucaradas, os hábitos saudáveis são indispensáveis. “A alimentação saudável, bem como exercícios físicos regulares, peso adequado e não fumar complementam as recomendações básicas de saúde”, salientou o oncologista.

Limitação de adição de açúcar e adoçantes é essencial
Nas conclusões do estudo, é enfatizado a importância de ações políticas, como restrições tributárias e de marketing direcionadas à bebidas açucaradas, como forma de contribuição para a redução da incidência de câncer. “É urgente uma política de saúde pública limitando a adição de açúcar e adoçantes nos alimentos e do uso de agrotóxicos. Isso significaria mais saúde para a população, menos gastos com doenças caras e letais. Passo Fundo tem lei banindo bebidas deste tipo das escolas. Excelente iniciativa”, pontuou Machado.

 

Texto: Assessoria de Imprensa CTCAN – Jornalista Natália Fávero